janeiro 14, 2008

Monte Cristo

Há uma tempestade vindo, as nuvens anunciam e os trovões ressoam, há uma tempestade vindo. Sinto o claro e o escuro se intercalarem, os relâmpagos mudam a visão de tudo, mudam a sensação, deixa a cena meio macabra.
Trovões, relâmpagos, vento, vento, raio, gota d'água...
Resolvi não mais me esconder das tempestades, nem das pequenas chuvas que parecem ser grandes tormentas, é o medo e não a água ou a eletricidade que pode matar, sabe?!
Os pingos frios, de certa forma, aquecem o meu rosto morno, e inclino a cabeça pra tentar alcançar mais dessa frieza-quente, abro os braços.. até parece uma libertação.
A beleza da cena não está em suas cores, ou no cenário, e sim, na complexidade que ela implica. A chuva molha, lava, limpa tudo... e faz com que as coisas sujas apareçam.
É quando tudo se revolta que podemos, afinal, definir os nossos portos-seguros; quando tudo parece desabar, o céu em cima de nossas cabeças, e a terra sobre as nossas pernas, que observa-se com clareza a dimensão de tudo o que fizemos (e em que dimensão fizemos!); quando nossas certezas são demolidas, há sempre o que (ou quem) as rearranjem.
Sozinha, na chuva, aprendi a sorrir, e a sentir o gosto da água.A pior parte já passou, já estou aqui, já saí de casa...
Os trovões reafirmam que a tarefa não é fácil, os raios ainda amedrontam, as águas começam a subir... O que fazer agora?! O que fazer?!
Abri os olhos, e senti o vento... Há uma tempestade vindo, dessa vez, uma real.

Um comentário:

Guilherme Dearo disse...

Gostei do texto, DeLira!
Penso que nada como a quebra de convicções para nos libertar, aquecer nossa face e abrir nossos olhos!
Até mais!
Novo texto no meu blog!