dezembro 14, 2008

Um, nenhum e cem mil

Costumo observar duas vezes as pessoas. A linguagem corporal,os gostos, os olhares, as medidas de proteção e as manias. Não faço isso inocentemente, é lógico.
Assim posso conhecer todas as barreiras que posso transgredir. Conheço todos os buracos que irei passar.
Queria muito dizer que esses métodos são infalíveis. Mas... não.
Quando travo, paro de olhar para os outros. E passo a olhar pra mim mesma olhando os outros. Controlo maneiras, palavras e pensamentos. É um controle tão pesado, que soa natural. Como se ligasse um botão de salvamento. Como se essa censura fosse a válvula de escape, a saída de emergência para quando ocorrem incêndios.
Então, quando soa a sirene dentro de mim, e o botãozinho tá quase prestes a ser acionado, posso tomar dois caminhos (como tudo em mim mesma, dois caminhos diretamente opostos): ou me calo, ou falo qualquer coisa que estiver na minha cabeça.
De qualquer maneira, não levo a melhor.

To começando a achar que o Pirandello tava certo!

Um comentário:

márcio disse...

Unisantos, cada vez pior. Demitiram dois doutores na última semana