setembro 01, 2007

... então deita na cama!

Ninguém é muito diferente do que parece ser.
Uma maçã, realmente, não cai longe da macieira.
Eseencia? O invisível aos olhos? Balela!!Tudo balela.
As pessoas são exatamente o que deixam transparecer; tão exatamente que beira o inacreditável.
Leornado Da Vinci tinha uma técnica de pintura que chamava-se esfumiatto [acho que se escreve assim], ele nunca deixava transparecer os contornos de suas pinturas, efumaçava os cantos; para ele, existia algo entre o olho do pintor eo objeto a ser pintado, e a gente não enxerga os contornos. Verdade.. a gente enxerga as pessoas, simples como são.
Nada de leitura fria, nada de palavras significativas.
O personagem não foge muito de sua fama.
E por mais que berremos, tapemos nossos olhos e ouvidos para isso, a verdade é uma só: o que você vê é o real.
Ninguém finge por muito tempo; ninguém "é" apenas para uma pessoa;todos são o que parecem, e tudo parece ser errado.
E viva a lei de Murphy!

Se fez a sua fama...

Um comentário:

Guilherme Dearo disse...

Às vezes somos tão transparentes quanto uma vidraça, mas as pessoas insistem em querer olhar a parede ao seu redor. Outras vezes somos tão translúcidos quanto uma parede preta... mas daí basta olhar nos olhos, as janelas da alma... (viva DaVinci!!!)