novembro 14, 2007

Vontade de poder

Vontade de ganhar outra vida em que possa ver as coisas com mais clareza.
Vontade de ter uma varinha e conjurar um feitiço que faça tudo dar certo.
Vontade de tomar Felix Felicis.
Vontade de terminar, de maneira decente, tudo que já me propus a fazer.
Vontade de amar e ser correspondida.
Vontade de beber até cair, até lembrar de todas as lacunas em branco da minha memória.
Vontade de ver alguns filmes , de escutar algumas falas, de cantar junto com alguns atores.
Vontade de ser algo diferente, de querer algo diferente, de sair da mediocridade em que me afogo.
Vontade de parar de escrever e fazer com que as palavras parem de imergir do meu cérebro.
Vontade de entender tudo e todos.
Vontade de fazer o tempo parar, voltar e passar mais lentamente para que possa prestar atenção nos detalhes, meros e pequenos detalhes.
Vontade de não ser nem completa , nem profunda.
Vontade de ver algo diferente acontecendo.
Vontade de ter certeza que o futuro vai ser bom, vai dar certo e vai melhorar.
Vontade de mudar de cidade, país, planeta e universo.

Se a vontade de poder comanda o mundo, a vontade, por si só, pode comandar algo, mudar algo.Certo, Nietzsche?

Um comentário:

Guilherme Dearo disse...

Hum... Gostei do texto.
Mas será que só vontade basta? Não é preciso um estalo lá dentro para acender a chama de fato? E acho que é isso que anda faltando hoje em dia. Nunca saímos da iminência, do 'aqui' para o 'lá'. Mas sem dúvida ter vontade já é um bom começo... o único começo.

PS.: Texto novo no blog.